OMS recebe dados da 'Sputnik V', a vacina russa contra a Covid-19

Com a chegada dos dados a OMS poderá afirmar se a vacina produzida pela Rússia é eficaz e se não apresenta efeitos colaterais graves. (Foto: Reprodução/HealthNews)


A Rússia decidiu enviar os dados sobre o desenvolvimento da 'Sputnik V', primeira vacina a ser cadastrada pelo país para o combate da Covid-19, para a Organização Mundial da Saúde (OMS). A informação foi confirmada pela brasileira Mariângela Simão, diretora-geral assistente da OMS, durante entrevista exclusiva ao programa "Manhã Bandeirantes", da Rádio Bandeirantes, apresentado pelo jornalista José Luiz Datena.


Com a checagem dos dados, a OMS poderá saber se a vacina tem eficácia contra a doença e se não causa efeitos colaterais graves. "Essa vacina usa tecnologia mais simples, e é ótimo para o mundo se ela for considerada segura e eficaz", afirmou Mariângela Simão.


Segundo a diretora-geral assistente da OMS, cerca de 200 imunizantes para combater o coronavírus estão em estudo no mundo, e ressaltou que, mesmo as vacinas em estágio mais avançado de estudos não devem levar a uma vacinação em massa antes de meados de 2021.


Sobre o coronavírus, Mariângela afirmou que há um consenso científico de que o vírus não foi criado em laboratório e modificado geneticamente. O que falta esclarecer é como ocorreu a transmissão da doença de um animal para o humano.


Assista abaixo a entrevista completa:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial