Bebê é resgatado de inundação provocada por ruptura de represa no Laos

Criança ficou por três dias no colo da mãe em cima de uma árvore. 27 pessoas morreram e outras 130 estão desaparecidas. (Foto: Thai Rescue Team/AFP)
Socorristas retiraram na quinta-feira (26) um bebê e a sua mãe da inundação provocada pelo rompimento da represa de uma hidrelétrica no sul do Laos. A tragédia, ocorrida na segunda-feira (23), deixou ao menos 27 mortos e 130 desaparecidos.

A criança tinha ficado agarrada à sua mãe em cima de uma árvore, que ficou cercada por água e barro, na região da aldeia de Xaydonkhong, onde um grupo de pessoas estava desaparecido.

Um vídeo feito pelos socorristas tailandeses, difundido pela emissora local ABC, mostram a criança chorando no momento em que um dos socorristas desce do barco e avança pela água até a árvore onde estavam. Ele volta com a criança no colo.

"Finalmente, conseguiram encontrar as 14 pessoas, entre as quais havia quatro homens, seis mulheres (uma delas grávida) e quatro crianças. Eles estavam cansados e famintos depois de quatro dias sem comer", informaram os socorristas tailandeses em um comunicado.

"A criança chorava e estava apavorada. Todos tinham medo da água. Quando começou a chover, entraram em pânico", contou à AFP o socorrista tailandês Kengkard Bongkawong.

As imagens circularam pelo Facebook e foram compartilhadas por milhares de usuários.

"Todos se encontravam em uma cabana no alto de uma colina onde cultivavam o terreno. Mas a água subiu tão depressa que não tiveram tempo de pensar, e começaram a correr", afirmou Bongkawong.

O socorrista ainda afirmou que as pessoas faziam parte de três famílias, que sobreviveram comendo brotos de bambu. “Mas não tinham comida suficiente para todos e estavam famintos", observou.

Os habitantes da localidade criticam as autoridades que têm, segundo eles, tentado minimizar o balanço de 27 mortos. Até quinta-feira, o primeiro-ministro do Laos confirmou apenas uma morte.

Ruptura da represa

Na noite desta segunda (23), a represa Xepian-Xe Nam Noy, situada a 550 km da capital Vientiane, se rompeu, liberando 5 trilhões de litros de água (o equivalente a 5 vezes o volume útil do Sistema Cantareira, em São Paulo). Brigadistas e barcos foram enviados à área do distrito de San Sai, na província de Attapeu. Chovia muito na região.

A água atingiu seis aldeias na região e obrigou cerca de 6,6 mil pessoas a deixarem suas casas.

Água chega ao Camboja

Na quinta, a água alcançou o país vizinho do Camboja, onde provocou inundações em 17 povoados e o deslocamento de 5,6 mil moradores, segundo informou o porta-voz da província de Stung Streng, Men Kong, à agência France Presse.

'Bateria da Ásia'

O Laos, um dos países mais pobres da região, almeja se tornar a "bateria da Ásia" através da construção de diversas hidrelétricas.

Seu governo depende quase inteiramente de empreiteiras estrangeiras para construí-las por meio de concessões comerciais que envolvem a exportação de eletricidade para vizinhos mais desenvolvidos, como a Tailândia.

O Laos já finalizou 11 represas, disse o grupo tailandês não-governamental Terra, com outras 11 em construção e dezenas planejadas.

A ONG International Hydropower Association (IHA) relata que existem mais de 50 projetos hidroelétricos no Laos. Várias organizações de defesa do meio ambiente advertiram para o impacto dessas represas no rio Mekong, em sua flora e fauna, assim como nas populações rurais.




*Por: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial